Resenhas

Todas as resenhas de Condão.

Estante Diagonal – Izabel Wagner

http://www.estantediagonal.com.br/2015/12/resenha-condao.html?showComment=1449079465169#c3394538891287565048

Quando a Joi entrou em contato comigo, comentando sobre a possibilidade de realizar a leitura desse livro nacional que, somente pela capa já havia me deixado extremamente curiosa, eu aceitei praticamente na mesma hora. Desde o começo do ano venho tentando dar mais chances para a literatura e os autores nacionais. Nós possuímos muitas histórias maravilhosas que merecem ser valorizadas e merecem ganhar um espaço especial em nosso coração, porém em meio a tantos lançamentos e opções, os livros nacionais acabam ficando em segundo plano, digo isso pois já deixei muitos nacionais de lado para adquirir aquele lançamento tão esperado. Por esse motivo, e por estar tentando inserir mais nacionais nas minhas leituras, não poderia deixar a oportunidade escapar. Como sempre gostei de ficção científica, o livro possuía diversos atrativos para essa leitora exigente, e preciso confessar, estou extremamente feliz por ter aceitado realizar essa leitura!

“Há muito tempo não se discutiam teorias socialistas, neoliberalistas, capitalistas ou que carga “istas” fossem, nem mesmo há algum tempo, na época de seu nascimento. ”

Em Condão, nós seremos apresentados a um Brasil do futuro, um Brasil com uma realidade muito diferente daquela que estamos tão acostumados e cansados de ver todos os dias. Nesta história nós iremos conhecer um país extremamente diferente, mudado, evoluído. Em Condão nós veremos um Brasil que se transformou de um país em desenvolvimento para uma potência mundial. Observaremos um país que dita o caminho da humanidade. Graças a Jeremias, um líder político determinado, justo e de visão, nosso país que hoje é repleto de corrupção, pobreza, injustiças e desigualdade se transformou em um país rico, onde a pobreza foi erradicada, a desigualdade desapareceu, a tecnologia era utilizada para facilitar a vida de todos os cidadãos, a justiça era mantida através de centrais informatizadas e os grandes avanços tecnológicos geraram drones extremamente inteligentes, capazes de garantir a segurança das cidades e conviver com os humanos em harmonia.

Mas esse livro não trata, apenas, da trajetória de um país e sua nação rumo ao desenvolvimento. Apesar de encontrarmos esse presente maravilhoso, digno de orgulho de qualquer leitor brasileiro e sonho de qualquer cidadão, Giordano Mochel Netto nos direciona para um evento trágico. Tudo começa quando Edwardo, um jovem programador virtual, morador da cidade do Rio de Janeiro, presencia o assassinato de dois jovens. Tudo acontece de forma rápida, é assim que somos inseridos ao novo mundo onde as ruas são pacíficas e seguras, até mesmo de madrugada. Porém, o que nos surpreende e assusta, e o que faz com que Edwardo fuja o mais rápido possível da cena que acaba de presenciar, é o fato de que quem cometeu tal ato foram drones de segurança, robôs que supostamente deveriam garantir a segurança de civis e preservar a vida humana.

Por ser o único a escapar do atentado contra a vida humana, por ter presenciado tal atitude e comportamento irregular, e por possuir então um alvo sobre suas costas, Edwardo se torna um procurado pela polícia e por drones de segurança. Em busca de ajuda e de compreensão de toda a situação, o personagem consegue auxílio de seu grande amigo, o professor Jânio, e de sua namorada Silvia. Juntos, os dois personagens serão responsáveis por auxilia-lo em sua fuga, juntar pistas em um quebra cabeça grande e complexo e unidos o trio irá perceber que existe algo por trás do comportamento irregular observado nos drones. Conforme buscam pistas e informações o trio encontrará as primeiras pistas que levarão para uma enorme teia de mentiras contadas desde o início da Era de Ouro do Brasil, iniciada pelo líder Jeremias, e ainda serão inseridos em um plano muito maior do que algum dia poderiam imaginar.

“A cada nova geração há um salto evolutivo de capacidade mental que levaria décadas, até séculos, para ocorrer. Se vamos conviver com as máquinas igualmente, que estejamos em um nível razoável. ”

Assim que virei a última página, li a última frase, dei aquela bela olhada no livro que havia lido, no momento em que terminei a leitura de Condão eu me vi perdida. A história me encantou de tal forma que assim que finalizei a leitura já com uma saudade enorme de tudo aquilo que havia acabado de ler. Me sinto orgulhosa dessa obra, estou feliz por ter a oportunidade de vir aqui e compartilhar com vocês uma história tão bem pensada e escrita, não poderia estar mais contente por ver a literatura nacional destacar mais um talento.

Uma das primeiras coisas que chamaram a minha atenção durante toda a leitura desse livro, foram as diversas críticas sociais inseridas ao longo de toda a narrativa. O autor, além de nos presentear com o contexto interessantíssimo de um Brasil futurista, desenvolvido e repleto de tecnologia, apresenta de uma maneira maravilhosa diversos fatos e situações atuais e erradas de nosso país, mas a crítica não para por aí, ela atinge, de uma maneira mais singela, problemas mundiais, observados por todos nós. Com muita inteligência, a narrativa aponta para nossos problemas, destaca fatos revoltantes de nossa história e da realidade brasileira.

O autor foi feliz ao apontar nossas falhas de uma maneira que estivesse muito bem integrada a história, de maneira que tudo estivesse conectado ao que ele queria nos apresentar, mas Giordano Mochel Netto foi além. Percebi, em mais de uma parte do livro, diversos comentários sobre mudanças, sobre desejos, sobre sonhos que todo cidadão brasileiro já teve ou têm para com seu país, sobre a vontade de viver em um país justo, correto, livre da corrupção, da pobreza e de tudo aquilo que nos atrasa e prejudica. Não sei dizer se era intenção do autor destacar tudo isso que percebi, mas gostei de ver esse aspecto inserido na obra, acredito que esses detalhes conseguiram transformar o livro em algo mais!

Outro aspecto que me alegrou muito, foi a quantidade de informação apresentada durante toda a narrativa. Talvez, devido a formação do autor; por sua curiosidade por vários temas apresentados nessa história; ou ainda pela união desses dois motivos, percebemos um ótimo embasamento durante todo o livro. Aqui observamos um maravilhoso exemplo de como é possível integrar informação e fatos a uma história fictícia e ainda trazer algo empolgante, cheio de ação e aventura. É verdade que em certos aspectos essas informações podem ser um pouco confusas, principalmente para aquelas pessoas que, assim como eu, não estão familiarizadas  com os temas abordados, mas, conforme a leitura flui, toda aquela informação é posta em prática e ganha um lugar na história, permitindo o entendimento do leitor.

“Vozes de todos os tipos, 3 mil, 10 mil rostos, dores, amores, sabores, lugares, sentimentos, alegrias, tristezas de todas as vidas. ”

Comentando um pouco sobre a edição do livro, eu preciso dizer que fiquei impressionada. Quando o exemplar chegou aqui, eu quase caí para trás, nunca tinha visto tanto cuidado e carinho empregado em uma obra nacional. O exemplar veio dentro de uma caixinha especial, e dentro dessa caixinha encontrei cartões com ilustrações dos principais personagens da história. Adorei essa ideia, é uma ótima forma de permitir a melhor visualização dos personagens por parte do leitor. O único detalhes que me incomodou foi o fato de que encontrei alguns errinhos de revisão ao longo da leitura. Não é nada grave, mas gostaria de observar uma edição e revisão perfeita, pois a obra merece.

Resumindo, Condão pode ser considerado um livro completo. Apesar de possuir a ficção científica como seu gênero mais presente e forte, também encontramos uma pitada de romance, humor e drama ao longo da narrativa, o que trás equilíbrio e dinamismo para a história. Condão é um ótimo exemplo de literatura nacional que merece destaque, o livro consegue te prender, te deixar instigado, curioso, vale a pena cada palavra lida e cada página virada. Por fim, além de indicar o livro a todos os leitores apaixonados por nacionais e ficção científica, eu preciso parabenizar o autor pelo ótimo trabalho, não poderia estar mais contente por ter tido a oportunidade de conhecer essa história!

Literatura – Stephanie Raiany

http://poeliterar.blogspot.com.br/2015/11/resenha-parceria.html

Condão → capacidade, faculdade, poder.”

A história começa no Rio de Janeiro, no ano de 2060. Em um mundo totalmente tecnológico, onde os drones acabaram substituindo a função de algumas pessoas, por exemplo, os policiais, são os drones que tomam conta da segurança da cidade.

Edwardo (Ed) um programador de sucesso e com um dos QI mais alto estava tranquilamente fumando (algo que não era permitido) quando ele percebe alguns drones se aproximando, ele rapidamente apaga o cigarro e se esconde. Os drones chegam perto de dois rapazes e os matam algo que não é aceito pelas regras de Condão (nome que foi dado à organização que criou as tecnologias super avançadas) e é aí onde tudo muda.

Ed tenta fugir, tendo em mente que poderá ser punido caso os drones o identifique no local, ele vai direto para a casa de Jânio (Jan) seu amigo, e os dois tentam descobrir o que aconteceu. Sílvia, namorada de Ed e também amiga de Jan entra nessa incrível busca, e os três vão atrás de informações, algo que os ajude a descobrir o que realmente aconteceu.

No meio dessa busca, o trio conhece várias pessoas que estavam escondidas e se juntam a eles, e todos saem em busca de respostas.

Jeremias é um jovem prodígio que está criando algo terrível e que poderá colocar todas as pessoas (humanos) em extinção, será que vão conseguir pará-lo e fazer com que ele esqueça esse plano de vez? Ou não vão conseguir chegar a tempo?

Condão é uma ficção junto com distopia (dois gêneros incríveis) que se passa em um Brasil futurístico, onde é completamente dominado por robôs, a história aborda tecnologia (as mais avançadas) e também Direito. Eu achei incrível o desenrolar da história, com certeza o autor pensou muito bem nos mínimos detalhes.

Claro que não poderia faltar ação, não é aquela história cansativa, que as coisas demoram a acontecer, é ação do começo ao fim. Só as partes que falava sobre tecnologia (e usava algumas palavras que eu não entendo rs) que eu acabava não entendendo muito bem, mas nada que dificulte entender o que se passa, quais são os planos e o desfecho da história.

Um ótimo livro que recomendo para todos, qualquer idade, vocês vão adorar.

Lendo e criando com Carinho

http://www.lendoecriandocomcarinho.com/2015/11/resenha-49-condao.html

Antes de começar a resenha, eu quero dizer que eu estou apaixonada pelo modo como Condão chegou aqui em casa. Eu achei que viria somente o livro para resenha (e o livro do sorteio, com os marcadores, ISSO É MAIS PRA FRENTE), só que não, o livro para a resenha, veio em uma caixinha com vários cards com os desenhos dos personagens, que particularmente são desenhos lindos, muito bem feitos e que ajudaram muito. Veio em um mimo só, já me ganhando por ai! Mas agora a resenha…

Em um Brasil futurista, com robôs e homens trabalhando juntos por uma sociedade igualitária, vive Edwardo um jovem e talentoso programador que presencia drones de segurança matando dois jovens inocentes. Tomado por um medo de ser descoberto, e também ser morto, Ed foge com seu melhor amigo Jânio, um professor de história fascinado por antiguidades, e sua namorada Sílvia, uma biogeneticista que também corre perigo. Na fuga eles encontram rebeldes que sabem a verdadeira história do Condão, o orgão que funciona como a justiça em um país livre de corrupção, uma história cheia de mortes, genocídio e tragédia. Sentido-se, enganados por toda vida, os três amigos decidem se juntar aos rebeldes, e viajar por todo o brasil, para descobrir qual o próximo passo que provavelmente destruiria o mundo.

Eu concordo completamento com o sonho do autor, de haver uma sociedade igualitária, sem fome, miséria, pobreza e corrupção, com uma educação de qualidade para todos. Eu realmente espero que possamos chegar lá algum dia. Mas enquanto ainda estamos bem longe de tal sonho, Giordano nos mostra como seria o Brasil assim, mas com uma inteligência robótica “no comando”.

O livro é muito bem escrito, talvez com alguns parágrafos meio grandinhos (mas para quem leu Game of Thrones, ta de boa), e o autor nos conta toda a história, sem deixar nada escapar. Confesso que o começo é meio parado, mas depois o livro toma proporções gigantescas que te faz não querer larga-lo enquanto não acabar. Pra quem gosta de distopia ou ficção científica, pode apostar com tudo nesse livro.

Definitivamente, o que eu mais gostei foram as personagens femininas, elas são fortes, inteligentes e não se escondem atrás de homem nenhum, tornando-se, muitas vezes as protagonistas da história, com papéis importantíssimos na trama.

Com toda certeza do mundo, Condão se tornou um dos meus favoritos. E eu gostaria de agradecer ao autor, Giordano, por nos proporcionar tal experiência.

” Todo sonho tem esperança.”

Um Simples Leitor – 

Oi Oi amigos.

Tudo certo com vocês?

Terminei a minha leitura de Condão na madrugada do dia 17/11 e gente, que livro.

Vem comigo.

Para inicio de tudo preciso dizer que o autor me mandou um kit com muitos mimos, eu pirei, estava esperando apenas o livro e tal mas, de repente vejo uma caixa roxa e pensei “ele não fez isso”. Gente, eu pirei mesmo. O livro é muito bem feito. Quem me conhece sabe muito bem que amo os livros da Novo Século por ter um acabamento bem trabalhado, é uma equipe boa mesmo.

Confesso pra vocês que quando vi o livro não dei nada. Tenho uma coisa comigo: Não leio sinopses. Vou apenas mesmo pela opinião e leio. Com muitos livros eu sou assim e tenho o prazer de ser pra lá na frente, quando eu acabar o livro dizer pra mim “duvidou da capacidade? toma!”.

Giordano me surpreendeu. Condão me pressionou na parede e gritou “ME AME CARALHO”. Só um aviso: AMEI. Comentei com minha amiga Patricia que leu o livro e ela disse que ele se tornaria meu xodó da estante. Foi dito e certo.

Sinopse

Edwardo é um jovem programador virtual do Instituto Tecnológico do Rio de Janeiro e tem uma vida totalmente organizada e estabilizada na sociedade ultratecnológica. Suas poucas preocupações se resumem ao trabalho, ao relacionamento apaixonado com a namorada Sílvia, biogeneticista, e à amizade antiga e franca com Jânio, professor de História Moderna e especialista na Teoria do Condão. No entanto, sua vida dará uma enorme guinada quando, involuntariamente, presencia o assassinato de dois jovens por drones responsáveis pela segurança pública. Não era para estar lá. Em uma fuga alucinada, onde sua vida mantém-se permanentemente em risco, Ed arrasta Jan e Sílvia em uma busca incessante pela explicação dos assassinatos através de diversas regiões do Brasil. O trio descobre que esta verdade envolve vários fatos obscuros que levaram a sociedade ao atual nível de desenvolvimento, uma revelação estarrecedora.

Resenha

O livro já começa com uma ação muito louca. Amo quando o autor trás isso logo no início porque eu fico bem envolvido e não consigo parar.

Condão é uma distopia que se passa aproximadamente no ano de 2060, no Rio de Janeiro e tem uma evolução tecnológica muito grande. Drones são usados para a segurança pública como se fossem policiais, praticamente.

Edwardo estava ali de boa fumando e próximo a ele tinha mais dois jovens andando e pensou que poderiam estar vindo um festa. Dois drones se aproximaram dos rapazes e achou que naquele momento seria a mesma coisa de sempre, os drones iriam expor o código de Contravenção Penal e sentenciá-los mas não. Ed se abaixou rapidamente ao ver que os drones não estavam normais. Se levantou e viu os dois rapazes deitados imóveis no chão. Ficou sem saber o que fazer e cheio de dúvidas resolveu correr para longe daquelas maquinas.

Jânio, amigo de Ed o vê na porta de sua casa com o semblante assustado implorando para entrar. Jan o deixa subir e fica louco pra saber o que aconteceu. Ewardo conta tudo para seu amigo e então Jan diz ser algo impossível. Após algum tempo de pesquisa então pode ver que os jovens estavam mesmo mortos.

” – Os moradores da cidade vivem em um estado de alienação constante, voltados para o próprio mundo. Fechados para tudo que acontece no exterior. Se contentam apenas com o que veem na mídia. Mas toda ela é manipulada. Os dados importantes são fabricados.”

Após ver que não está sendo perseguido pelos drones, Ed decide invadir o sistema Central do Condão. Vê que sua namorada, Sílvia pode estar correndo um alto risco depois de dar uma quantidade da substância proibida para ele fumar. Ed corre a casa de Sílvia e sem explicar o que está acontecendo tenta fugir daquela cidade juntamente com seu amigo.

Na fuga ele explica tudo para sua amada. Eles fogem pelos tubos e pelas linhas de trem desativadas a muitos anos. No caminho que percorrem nem imaginam o que esteja acontecendo fora dali.

Naquele percurso eles se deparam com alguns homens de aparências velhas como idosos juntamente com uma bela moça. Ed, Jan e Sílvia imaginam que estão lascados e que dali pra frente estarão mortos. Mas a mulher chamada Celeste diz apenas para abaixarem os braços e ficarem tranquilos porque eles estavam esperando os três. Como o torpor do momento a única coisa que fazem é seguir as instruções daquela bela moça.

No caminho para onde está os levando, Celeste é avisada por Ed que algo estejam os seguindo. Celeste os dão instruções do que vestir para se camuflarem e não são reconhecidos pelo drone. Chegando ao destino os três fugitivos descobrem que não são os únicos que estão realmente fugindo do sistema do Condão. O Patriarca tira todas suas dúvidas e os revelam os segredos mais sombrios que já puderam ouvir. Ed, Jan e Sílvia sabem que dali pra frente suas vidas mudarão e dizem estar preparados para a revolução que está por vir.

Livrosland – Vitória Nascimento

https://www.instagram.com/p/97Qs8NnnYd/

Uma certa vez eu li em algum lugar “não julgue um livro pela capa, o desenhista pode ser melhor que o autor.” Mas lendo Condão eu percebi mais uma vez de como toda regra tem sua exceção. Além de ser um ótimo livro,muito bem escrito, totalmente original e criativo; Condão tem uma linda capa. Giordano, pode contar comigo na sua lista de fãs rsrs.
Eu já despejava uma enorme expectativas sobre Condão, antes mesmo dele chegar aqui em casa e agora eu vou contar tudinho para vocês.
Em um Brasil futurista e totalmente desenvolvido vive Edwardo um jovem e talentoso programador. Ed mantinha uma vida pacata sem muitas emoções, até que involuntariamente presencia a execução de dois jovens por drones de segurança.
Para uma melhor compreensão é preciso entender sobre a história de Jeremias, quando ele era apenas um adolescente, desenvolveu um software capaz de salvar o sistema judiciário brasileiro que estava totalmente corrompido por membros corruptos. Jeremias tornou o Brasil um país seguro e desenvolvido, mas toda sentença tem seu preço a se pagar e essa terá um preço muito caro. Com uma população grata e feliz toda a sociedade era constituída por alienados que acreditavam em todas as propagandas exibidas pelo governo.
Depois do ocorrido Edwardo passou a correr risco de vida e com ele Jânio seu melhor amigo e Sílvia sua namorada. Buscando ao fundo por respostas o trio encontra fatos ocultos ao conhecimento popular.
Um livro para ler e refletir sobre a nossa realidade a tecnologica e a política brasileira, esse livro em si é uma imensa crítica. Não deixem de conferir.

Way to Happiness – Ligia Colares

http://www.way-2happiness.com.br/2015/11/resenha-condao-giordano-mochel-netto.html

Se a tecnologia evoluísse até o ponto da nossa imaginação, como seria o mundo?
Para Giordano, tudo começa quando uma mente brilhante, inicialmente desconhecida, elabora um equipamento que faz a análise imparcial das leis, de forma a não poder ser manipulada. Assim, no Brasil, um cartel de políticos e servidores corruptos finalmente são julgados de forma correta, apresentando ao país uma novarealidade, em que políticos não são corruptos porque o sistema irá condená-los. Mas esse foi só o primeiro passo, porque essa criação abriu portas para a tecnologia robótica, com a inclusão de robôs em varias funções e utilização de tecnologia nas mais variadas rotinas, obtendo maior qualidade de vida para os cidadãos, e colocando o Brasil no ápice do desenvolvimento tecnológico. Nesse contexo, Edwardo, programador, está habituado a todo conforto, porém, em um dia que parecia normal, ele vê dois robôs cometendo assassinato por um motivo muito estúpido! Ele poderia achar que era ilusão, se logo em seguida não estivesse sendo ele o perseguido!
Não contarei mais nada quanto à história, mas posso prometer que ela é repleta de planos megalomaníacos, aplicações incríveis da tecnologia, ideias geniais e muita ação. Edwardo corre em busca de um amigo para conseguir mais informações, e quanto mais ele descobre, mais insatisfeito fica. Será que toda a informação que ele recebe é verdadeira? Até onde confiar na tecnologia? E assim conhecemos personagens secundários que são verdadeiras fontes primárias de informação, e nos vemos cada vez mais envolvidos nesse plano maluco que eles criam, indo atrás de algo que nem eles, e muito menos nós, conhecemos!
O contexto por si só é um deleite a parte. Enquanto acompanhamos Edwardo, visualizamos um Brasil no auge do desenvolvimento tecnológico, com ruas que são esteiras, metrô a vácuo com alta velocidade, lentes para acesso à internet, otimização de energia elétrica e captação de esgoto para melhor qualidade de vida… Um Brasil dos sonhos, em que a corrupção não é mais permitida, e que todo o dinheiro pode ser investido na população. Um mundo que se preocupa com a qualidade de vida de seus iguais na China e na África, de forma a ocorrer um desenvolvimento igualitário no mundo todo… Eu consigo sonhar com o futuro de Giordano, ao menos essa parte! Hahaha!
Eu consegui identificar alguns defeitos no livro, que acho interessante pontuar: alguns parágrafos são muito extensos, algo que não me incomodou mas que também não havia necessidade e sei que muita gente não gosta. Além disso, algumas cenas acontecem rápido demais, imagino que pela necessidade de enxugar um livro que poderia ser facilmente dividido em dois. Quanto a isso, prefiro as cenas curtas à espera de um segundo volume!
Resumindo, o livro te coloca em um Brasil futurista, te envolve em um plano mirabolante e em informações confidenciais, coloca seu pensamento cada vez mais adiante sobre até onde tudo pode chegar, para ao final, quando finalmente acontece o desfecho, você ficar com saudades daquele Brasil que você não viu, daqueles personagens tão singulares, e principalmente, pela esperança de um mundo melhor. Giordano, parabéns pela obra!
Cidade dos Leitores – Gus
Gente, tenho medo de minhas palavras não fazerem jus a esse livro. Ele perfurou minha mente como uma bala e me deu um soco no estômago.
O livro tem ação o tempo todo. No início, tem um teor mais explicativo, para nos introduzir naquele Brasil futurístico. Mas depois de uns sete capítulos, a ação não para uma página sequer.
A história conta sobre Edwardo, um jovem que vive em um Brasil futurístico e desmasiado avançado. Toda a segurança é feita por drones, e um dia, Edwardo vê drones assassinando dois jovens, o que é proibido pelo Condão.
Vou explicar melhor o que é o Condão. Antes desse Brasil tecnologicamente avançado existir, um garoto chamado Jeremias desenvolveu um software capaz de resolver qualquer caso criminal e que exigia um julgamento. E isso fez o Brasil enriquecer MUITO e se desenvolver rapidamente.
Continuando com a história… Edwardo então pede ajuda a seu amigo Jânio para tentarem descobrir o que está por trás daqueles assassinatos cometido pelos drones. Eles, junto com a namorada de Edwardo, Sílvia, embarcam pelo território brasileiro atrás de respostas e descobrem muito mais coisas do que esperavam.
Bom, lá para a metade do livro estava achando que iria ser aquelas distopias que falam a mesma coisa, mas descobri-me enganado. As reviravoltas foram acontecendo tão rapidamente que foi quase impossível não desgrudar do livro enquanto bão terminasse. Giordano criou mais do que uma simples distopia, criou um retrato fascinante de um Brasil opressor e avançado. Uma bela de uma ficção científica.
Os personagens criados pelo autor são bastante fortes, não desistem fácil, além se serem muito bem construídos. Sério, os personagens são a alma deste livro e o enredo, o corpo.
A linguagem de Condão é mais rebuscada, e as descrições do autor, maravilhosas. Você realmente se sente no lugar em que os personagens estão, ajudando a descobrir as verdades daquilo tudo.
Giordano Mochel, além de me fazer rever meus preconceitos com livros brasileiros, ganhou meu respeito ao criar esta obra.
Recomendo Condão a todos aqueles fãs de uma boa ficção científica! E também a todos os amantes de uma história bem escrita e bem trabalhada, e diferente destas distopias jovens que têm por aí. Condão está entre meus favoritos.
Tenda dos Livros – Ainã Lisboa

http://www.tendadoslivros.com.br/2015/09/resenha-livro-condao-giordano-mochel.html

Livroratura – Patrícia M. Sattler

http://livroraturalivros.wix.com/futilporemutil#!RESENHA-Cond%EF%BF%BDo/c1kw6/55e8aa820cf29a3653c0465a

Lucas Aguiar

Aproveito o espaço para divulgar a obra de um brasileiro de excelente qualidade. Para quem curte sci-fi, intrigas políticas e reflexões sociais, é um prato cheio, trabalho de alta qualidade! No melhor estilo das distopias modernas, o livro Condāo do advogado Giordano Mochel traz aventura, paixāo e um grupo de pessoas empenhadas em mudar o mundo opressor em que vivem. Para quem sentiu o sangue ferver assistindo/lendo Jogos Vorazes e Divergente, vai encontrar nestas páginas o mesmo sentimento que alimenta os poucos – ou nāo tāo poucos assim – a discutirem e se preocuparem sobre um futuro que nāo desejamos em nossos piores pesadelos – e que, infelizmente, dada a manipulação do mundo, pode nāo estar tāo distante. Mas como diz o Giordano: Hoc non pereo habebo fortior me!

“O que nāo me mata, faz-me mais forte”.

Decidindo-se – Vinícius Correa

http://decidindose.blogspot.com.br/2015/09/condao-resenha.html?m=1

Na casa dos Livros – Marcos Átalo

http://www.nacasadoslivros.com.br/2015/08/resenha-condao.html

Me Livrando

[ CONDÃO – GIORDANO MOCHEL NETTO ]

O que falar desta ficção científica brasileira que tem me deixado boquiaberta?
Além desse box lindo com os cards dos personagens e marcadores de página, o enredo é interessante. Giordano trouxe uma premissa que o instiga e deixa uma dúvida no ar – será que conseguirá suprir nossas expectativas? Bem, na Maratona Literária Me Livrando eu tive a chance de ler um pouco da obra. Garanto a vocês: Giordano vai mais além do que se propõe a fazer.
Condão não é um livro para iniciantes no gênero… Tanto que várias vezes me confundi com os termos e explicações que devem ser comuns na ficção científica. Senti-me em casa quando ele abordou o Direito – afinal, o Condão é um software que personifica a máxima de Hans Kelsen: um direito puro, sem interferência de juízos de valor. Não são mais o juízes que julgam nesse mundo futurista, mas sim robôs. Ou foi o que entendi até agora.
Giordano se preocupou em tecer todo um passado que justifica e torna o Condão plausível. Até agora só não tenho gostado das divagações do Jânio, mas porque são nesses momentos que aparecem os termos técnicos do gênero e eu me sinto meio perdida.
Assim que terminar de ler, trago uma opinião mais precisa. Estou na metade e garanto a você: seu dinheiro será muito bem aproveitado. ‪#‎celebreoqueénosso‬

Filipe Martins

Terminei o livro poucos dias depois de baixar no Amazon, é um daqueles livros que você começa a leitura e fica viciado rapidamente, tudo no livro prende a atenção, os personagens, o ambiente, os debates discutidos no livro e também as tecnologias e técnicas que deixa a história ainda mais interessante, recomendo a todos que gostam de ficção cientifica e distopias como eu, mas no livro tem um pouco de todos os gêneros e é realmente uma obra completa, uma produção brasileira que não perde em nada para os best-sellers internacionais e que pra mim chega a superar grandes titulos famosos mundialmente, recomendo fortemente a leitura.

Menino Literário – Allison Barão

http://meninoliterario40.blogspot.com.br/2015/08/resenha-condao.html

The House of Stories – Carlos Barros

http://thehouseofstorie.blogspot.com.br/2015/09/resenha-condao.html

Uma das muitas coisas que gostei na leitura desta obra foi a possibilidade de relembrar outras obras igualmente fantásticas. Não sei se isso foi calculado pelo autor, mas houveram algumas passagens que me trouxeram lembranças de Akira, Ghost in the shell, Neuromancer, Matrix, Asimov, Huxley e companhia.. Mesmo com todas essas referências embutidas, Giordano conseguiu, e de uma forma excelente(pois não é nada fácil escrever uma história de ficção de qualidade ) , deixar sua obra com uma originalidade incrível. As questões morais que nos convidam a reflexão … Parabéns cara, parabéns. Estou ansioso pelo segundo livro e adaptações cinematográficas ahauhauh AH, e um Condão no nosso sistema judiciário 😉

I Love My Books – Carolina Bastos

http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/09/resenha-condao.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s